Partir do Zero

anulaçãoSe do zero eu partir, há o negativo que me atrasa. Nem sempre o zero é nada, se eu o colocar no tempo. O zero carrega uma história, carrega o próprio peso da sua nulificação, e isso o torna um elemento não nulo.

Como esquecer as subtrações que o tornaram zero? Como deixar pra trás toda a divisão que o suprimiu, tornando-o infinitamente pequeno? Qual o artifício para se começar uma nova equação tomando apenas o zero?

Se o zero não é nada, é só pela graça divina que se pode entender realmente a sua história, suas equações anteriores, sua nulificação. A memória carrega mais que o nada do próprio nulo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s